Buzina – ModaLisboa
19181
portfolio-item-template-default,single,single-portfolio-item,postid-19181,theme-audrey,eltd-core-1.1.1,woocommerce-no-js,et_monarch,designers,portfolio-item-buzina,modalisboa-child-ver-1.0.0,audrey-ver-1.5,eltd-smooth-scroll,eltd-smooth-page-transitions,eltd-mimic-ajax,eltd-grid-1200,eltd-blog-installed,eltd-follow-portfolio-info,eltd-default-style,eltd-fade-push-text-right,eltd-header-standard,eltd-fixed-on-scroll,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-menu-item-first-level-bg-color,eltd-dropdown-default,eltd-light-header,eltd-fullscreen-search eltd-search-fade,eltd-side-menu-slide-from-right,eltd-woocommerce-columns-2,eltd-woo-small-space,eltd-woo-single-thumb-below-image,eltd-woo-single-has-pretty-photo,wpb-js-composer js-comp-ver-6.4.1,vc_responsive

Designers

Buzina

Designer

Buzina

LAB
Ver Bio
687706847
A Moda como simbolismo. A roupa como suporte de respeito. Vestes que são gestos, vestidos que contam uma narrativa própria. A mulher no seu papel máximo, nos seus múltiplos refúgios, nas suas mais recônditas vontades. A princesa que só queria ser confundida no meio da multidão, um ícone que influencia o papel feminino até aos dias de hoje, um camaleão que usa as cores da sororidade. Diana, princesa de Gales, era tudo menos uma seguidora – vestia as suas próprias regras. Usava o estilo como forma de reflexão das suas experiências, dos seus confortos e desconfortos, escolhendo cada detalhe cuidadosamente como ferramenta de mensagem. De três peças a um guarda-roupa que marcou a cultura pop e a colocou no controlo, a ‘princesa do povo’ surge como farol de uma nova coleção Buzina e de uma geração que lhe segue as pisadas, sempre um passo atrás.
“O que quer que vista vou ser criticada, por isso mais vale vestir o que quero.”

Date

Setembro 29, 2020

Like