Béhen – ModaLisboa
19179
portfolio-item-template-default,single,single-portfolio-item,postid-19179,theme-audrey,eltd-core-1.1.1,woocommerce-no-js,et_monarch,designers,portfolio-item-behen,modalisboa-child-ver-1.0.0,audrey-ver-1.5,eltd-smooth-scroll,eltd-smooth-page-transitions,eltd-mimic-ajax,eltd-grid-1200,eltd-blog-installed,eltd-follow-portfolio-info,eltd-default-style,eltd-fade-push-text-right,eltd-header-standard,eltd-fixed-on-scroll,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-menu-item-first-level-bg-color,eltd-dropdown-default,eltd-light-header,eltd-fullscreen-search eltd-search-fade,eltd-side-menu-slide-from-right,eltd-woocommerce-columns-2,eltd-woo-small-space,eltd-woo-single-thumb-below-image,eltd-woo-single-has-pretty-photo,wpb-js-composer js-comp-ver-6.4.1,vc_responsive

Designers

Béhen

Designer

Béhen

LAB
Ver Bio
687610119

ADEUS, ATÉ AO MEU REGRESSO

Há quem ainda saiba de cor o gesto do adeus que não adivinha retorno. Talvez por ser cicatriz de um país. No diálogo investigativo dessa procura, que explora a despedida na concretização do seu conceito — na esperança latente e na consciência de um fim irreversível —, e não no abstratismo corrente, nasce esta coleção. Em cada coordenado está a história de quem partiu, de quem deixou e de quem se deixou ficar. São ondas secas e quentes que ainda abalam os alicerces de uma família despida, geração após geração, pela guerra e pela emigração. Sobre o objeto, único sobrevivente material da perda, recai o peso simbólico de um país, do amor e da esperança. Um lenço branco, a ponta de um lençol, um enxoval roubado. Também nele estão fronteiras saltadas e lágrimas secadas, males falsificados para conseguir fugir. Estão promessas de melancolia e regressos à sombra de um cipreste. “Vai dizer às tuas irmãs, não façam como tu fizeste”.
Um adeus, cumprimentos à família,
até ao meu regresso.

Date

Setembro 29, 2020

Like